Ceará conhece os vencedores do primeiro Hackathon da Inteligência Cidadã do Estado

Evento Cerimônia Ciclo de Trabalho 13
Cover screen shot 2018 01 30 at 10.59.25
Equipes tiveram mentoria de especialistas para auxiliar em ajustes pontuais nas propostas; premiação chegou a R$4.000 reais

No último sábado (27) a Universidade Estadual do Ceará (UECE) recebeu a primeira edição do Hackathon da Inteligência Cidadã, que premiou as duas equipes da Categoria Geral e duas de Ensino Médio que apresentaram as propostas mais bem avaliadas sobre inovação na visualização e interpretação de dados públicos. O concurso, organizado no contexto do desenvolvimento do Sistema Público de Relacionamento com o Cidadão do Ceará e idealizado pela Caiena, Banco Mundial e Controladoria e Ouvidoria Geral do Estado do Ceará (CGE) teve 36 equipes inscritas e dez selecionadas para a grande final. Outras partes envolvidas e que apoiaram a execução do evento foram a Secretaria da Educação do Estado do Ceará (SEDUC), a Empresa de Tecnologia da Informação do Ceará (ETICE) e a Universidade Estadual do Ceará (UECE).

Acima de uma premiação que reuniu pessoas de todos os cantos do estado, o que o Ceará viu no último sábado (27) no auditório da UECE foi um evento de valorização e incentivo ao engajamento cidadão com relação à fiscalização dos dados públicos. O dia começou bem cedo para os participantes e, logo por volta das 08h30 da manhã algumas das equipes selecionadas para a grande final já aguardavam do lado de fora do auditório da Universidade para continuarem a trabalhar em suas propostas. Seriam mais algumas horas de dedicação ao projeto e, dessa vez, com um auxílio a mais para o desenvolvimento: a consultoria dos especialistas presentes no evento.

Às 09h, teve início a cerimônia de abertura  - conduzida por um dos coordenadores do Sistema Público de Relacionamento com o Cidadão do Ceará, Nilson Oliveira, e que contou com a participação dos especialistas do projeto e de outros parceiros da iniciativa, como representantes da Secretaria da Educação do Estado (Seduc), da própria UECE e da Controladoria e Ouvidoria Geral do Estado (CGE). Nesse momento, houve um diálogo com os participantes sobre a agenda do dia e, logo depois, as equipes já foram liberadas para finalizarem suas propostas contando com o auxílio dos especialistas. Das 10h às 14:30h, as equipes trabalharam nessas melhorias e ajustes pontuais, com uma pausa para o almoço.

Entre os especialistas presentes no evento e disponíveis para auxílio aos participantes estava o jornalista investigativo e especialista em Transparência e Acesso à Informação Fabiano Angélico, que atua no SPRC desde o início do projeto. Para ele, iniciativas como o Hackathon são interessantes porque permitem ao cidadão utilizar as informações tornadas públicas por processos de transparência, tanto no sentido do controle social como de uma discussão mais aprofundada sobre os dados públicos. "Eu estou realmente surpreso com a qualidade das propostas. É claro que um projeto como esse tem como objetivo criar protótipos, ideias, e não criar soluções definitivas e robustas. O objetivo é que haja abordagens novas. Então partindo dessa premissa, estou bastante surpreso. Os projetos no geral prezam pela simplicidade e por comunicar para uma população mais ampla o que está acontecendo no âmbito público, o que é muito importante˜, afirma.

Depois da mentoria dos especialistas e de perguntas dos jurados durante o desenvolvimento das melhorias nas propostas, as equipes apresentaram seus projetos no auditório - etapa que também contava pontos na hora da avaliação final. Cada grupo teve dez minutos para apresentar a essência de seu projeto e comunicar inclusive as possíveis melhorias realizadas durante as últimas horas de desenvolvimento com a ajuda dos mentores.

Propostas vencedoras
Após a apresentação das equipes o momento mais aguardado pelos participantes finalmente havia chegado: a avaliação e decisão final dos jurados. Os votos foram feitos via celular e seguiram critérios fundamentados em relevância, criatividade, design e viabilidade.

Ao final da tarde, todos os votos haviam sido computados - era hora de anunciar os vencedores do primeiro Hackathon da Inteligência Cidadã do Ceará! Na categoria Geral, o primeiro lugar ficou para a proposta Ceará Interativo, desenvolvida pela equipe formada por Matheus Araújo, Xênia Marques, Ivo Pimenta, Edson Moreira e Francisco da Conceição. A proposta consiste no desenvolvimento de um software informativo e receptivo a avaliações disponível na palma da mão, em um contexto no qual os smartphones ganham cada vez mais espaço. A ideia é que o software informe a sociedade facilmente sobre quais obras estão gastando mais dinheiro público e, pelos rankings exibidos no aplicativo, se estão dando retorno ou não para a sociedade.

No segundo lugar da categoria Geral, ficaram Glauton Santos e Johnny Alves de Assis, cuja proposta sugeria a criação de um aplicativo chamado Participe, que permitiria interações por curtidas e comentários. O ponto fundamental do projeto está na exposição dos dados do Governo de forma clara e coesa para qualquer usuário. O aplicativo conta com termos de fácil entendimento, além de explicações sobre conceitos que se encontram um pouco mais distantes do dia-a-dia dos usuários da plataforma.

Já na categoria Estudantil, na qual concorreram equipes de Ensino Médio, o primeiro lugar ficou para Adrian e Francisco Hudney da Silva, que também propuseram a criação de um aplicativo para que a população tenha acesso aos dados abertos do governo de forma simples e rápida e em qualquer aparelho. Um diferencial interessante é que o aplicativo também poderia ter acesso à rádio da prefeitura de cada cidade, e ter apoio de jornais ou plataformas de notícias que teriam visibilidade no aplicativo.            

A equipe que ficou em segundo lugar nesta categoria foi a dupla Thiago Oliveira e Lucas de Carvalho. A solução proposta por eles passa por um aplicativo com foco em informar problemas relacionados a obras de infraestrutura no estado, permitindo interação direta da população com o app por meio do envio de fotos e manifestações.      

Como definiu um dos sócios da Caiena, Eduardo Assis, aliar mecanismos de participação social com ferramentas tecnológicas e facilitar uma comunicação eficiente do cidadão com o Estado é um dos principais ganhos desse tipo de evento. "É um início, um primeiro movimento que deve continuar pelos próximos anos e aproximando o cidadão de um diálogo eficiente com o Estado, aproveitando a transparência e as informações disponíveis", completa.

O Desenvolvimento do Sistema Público de Relacionamento com o Cidadão do Ceará está dividido em 14 ciclos de trabalho – em cada ciclo, as equipes de trabalho desenvolvem fases específicas do sistema. Cada uma dessas fases engloba várias atividades para que o Ciclo possa ser finalizado. Para que seja possível manter um controle e para que todos possam acompanhar, todas as atividades feitas durante o ciclo são sintetizadas em um relatório. Ali estão todas as informações constatadas e conclusões a que se chegou durante aquele período de trabalho. Para consultar os relatórios do Ciclos de Trabalho 10, 11, 12 e 13, basta acessar os anexos abaixo.